sexta-feira, 30 de junho de 2017

Rip Curl GromSearch arranca nos Supertubos

A edição de 2017 do Rip Curl GromSearch arrancou ontem na internacional praia de Supertubos, palco da etapa portuguesa do CT e do EuroSUP.
Foto: Peniche Surfing Clube/Miguel Sacramento

Condições exigentes esperaram os 94 jovens surfistas inscritos, com ondas até 1m. As previsões apontavam para vento forte de noroeste, no entanto grande parte do dia o vento soprou do quadrante oeste, direção menos favorável para a costa portuguesa.

Foi um longo dia de competição, onde se realizaram as primeiras rondas dos escalões de sub12, sub 14 e sub 16.

Hoje o call está marcado para as 8h45m, com arranque da ação prevista para as 9h. Para este dia estão reservadas as fases finais de todos os escalões em competição.

Destaques do dia para os scores de Santiago Graça em sub 12 com uma pontuação combinada de 14,26 em 20 possíveis, de João Mendonça na primeira ronda de sub 14, com uma pontuação combinada de 15 em 20 possíveis e a melhor onda do dia com uma pontuação de 8,33 em 10 possíveis e Joaquim Chaves nos oitavos de final de sub 16 com uma pontuação combinada de 14,10 em 20 possíveis.

Video resumo do dia: https://youtu.be/YkOH5xQLf7k
  
O Rip GromSearch e a Finalíssima do Campeonato Nacional de Surf Esperanças são uma coorganização do Peniche Surfing Clube e da Câmara Municipal de Peniche, com a homologação da Federação Portuguesa de Surf, com os patrocínios da Rip Curl, Águas de Portugal, Águas do Tejo Atlântico, EPAL, MEO, os apoios institucionais dos Bombeiros Voluntários de Peniche e Centro de Alto Rendimento de Peniche, tendo como parceiros institucionais a Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo, a Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar – IPL e a Escola Superior de Desporto de Rio Maior – IPS e como media partners a SurfTotal e o MEO Beachcam.
O Rip Curl GromSearch tem também os patrocínios da Citroën, Smith, FCS e Gorilla.

O Rip GromSearch e a Finalíssima do Campeonato Nacional de Surf Esperanças em Sub 16 masculino podem ser acompanhados aqui:


Site PPSC: www.ppsc.pt
Twiter: @pxsurfclube
Facebook: https://www.facebook.com/peniche.surfclube
Youtube: https://www.youtube.com/user/Penichesurfclube
Vimeo: http://vimeo.com/penichesurfingclube
Instagram: penichesurfingclube


Foto: Peniche Surfing Clube/Miguel Sacramento

Foto: Peniche Surfing Clube/Miguel Sacramento

Foto: Peniche Surfing Clube/Miguel Sacramento

Foto: Peniche Surfing Clube/Miguel Sacramento

Foto: Peniche Surfing Clube/Miguel Sacramento

Foto: Peniche Surfing Clube/Miguel Sacramento

Foto: Peniche Surfing Clube/Miguel Sacramento

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Rip Curl GromSearch arranca nos Supertubos



A edição de 2017 do Rip Curl GromSearch arranca já amanhã na internacional praia de Supertubos, palco da etapa portuguesa do CT e do Campeonato da Europa, o EuroSUP.

O checkin está marcado para as 8h, com inicio previsto para as 8h30m.

Acompanhe o campeonato na página de Facebook do Peniche Surfing Clube.

Confira os heats.






sexta-feira, 23 de junho de 2017

Rip Curl GromSearch e finalíssima do Campeonato Nacional de Surf Esperanças regressam a Peniche



Depois do sucesso do Campeonato Europeu de Stand Up Paddle, o EuroSUP, Peniche recebe de 29 de junho a 2 de julho, os melhores jovens surfistas nacionais da atualidade para a 2ª e derradeira etapa da perna portuguesa da edição de 2017 do Rip GromSearch e a Finalíssima do Campeonato Nacional de Surf Esperanças em Sub 16 masculino.

Serão quatro dias de muita ação nas praias da Capital da Onda.

As inscrições já se encontram abertas até ao dia 26 de junho no site do Peniche Surfing Clube para o Rip Curl GromSearch e 
até ao dia 28 de junho no site da Federação Portuguesa de Surf para a  finalíssima do Campeonato Nacional de Surf Esperanças em Sub 16 masculino

Depois da Costa da Caparica é a vez de Peniche receber o Rip Curl GromSearch European Series edição de 2017, para apurar os surfistas que vão representar Portugal na grande final Europeia.

Estarão em competição os escalões Sub 12, Sub 14 e Sub 16 masculinos e Sub 12, Sub 14 e Sub 16 femininos.

Teaser da edição 2017 da série europeia do Rip Curl GromSearch: https://www.youtube.com/watch?v=S2vUYlW6ZlQ

Já a Finalíssima do Campeonato Nacional de Surf Esperanças da Federação Portuguesa de Surf definirá quem é o sucessor de Salvador Couto, coroado campeão em Sub 16 masculino nas águas de Peniche em 2016.
Veja aqui o resumo da edição de 2016 da Finalíssima do Campeonato Nacional de Surf Esperanças sub 16: https://youtu.be/WXHXVG5zo4E

Para além da competição existirão muitas atividades para quem participa e quem assiste, proporcionadas pelos parceiros dos dois eventos.

O Rip GromSearch e a Finalíssima do Campeonato Nacional de Surf Esperanças são uma coorganização do Peniche Surfing Clube e da Câmara Municipal de Peniche, com a homologação da Federação Portuguesa de Surf, com os patrocínios da Rip Curl, Águas de Portugal, Águas do Tejo Atlântico, EPAL, MEO, os apoios institucionais dos Bombeiros Voluntários de Peniche e Centro de Alto Rendimento de Peniche, tendo como parceiros institucionais a Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo, a Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar – IPL e a Escola Superior de Desporto de Rio Maior – IPS e como media partners a SurfTotal e o MEO Beachcam.


O Rip Curl GromSearch tem também os patrocínios da Citroën, Smith, FCS e Gorilla.

O Rip GromSearch e a Finalíssima do Campeonato Nacional de Surf Esperanças em Sub 16 masculino podem ser acompanhados aqui:

terça-feira, 13 de junho de 2017

EuroSUP 2017 - Coroados Campeões

Benoit Carpentier e Iballa Ruano Moreno sagram-se Campeões da Europa em SUP Ondas e França é a seleção vencedora

O francês Benoit Carpentier e a espanhola Iballa Ruano Moreno foram os grandes vencedores da disciplina de Ondas no Campeonato da Europa de Stand Up Paddle 2017, que hoje terminou.

Com ondas de 1m a 1,5m e muito sol, a praia de Supertubos, em Peniche, recebeu os últimos heats e as grandes finais, masculina e feminina, com um forte apoio na areia e diversas bandeiras esvoaçantes das equipas de Portugal, Alemanha, Espanha, Suécia, Inglaterra, Gales, França e Dinamarca. 
 

Na prova masculina, Benoit Carpentier destacou-se logo no primeiro heat do quadro principal, perdendo apenas no segundo para o seu companheiro de equipa Pierre Rollet, a quem viria a ganhar depois, na grande final, com uma pontuação de 15 em 20 pontos possíveis. “Correu muito bem. O ano passado fiquei em segundo e queria muito ganhar este ano, por isso estou muito contente com a minha performance. Todos tiveram grandes resultados e isso foi muito bom para a equipa. Tivemos uma semana incrível em Peniche”, comentou o novo campeão da Europa.

Já Pierre Rollet, que ficou em segundo lugar, afirmou: “Estou a adorar esta experiência! Foi uma boa decisão termos esperado por hoje para fazer tantos heats, porque as ondas estavam fantásticas. Mas confesso que depois de tantos segundos lugares gostaria que um dia chegasse a minha vez de vencer”.

O alemão Moritz Mauch, um dos atletas em destaque ao longo de toda a prova, perdeu no primeiro heat do dia e ficou sempre em segundo lugar em todas as repescagens, chegando assim à grande final, onde terminou no quarto lugar, atrás do espanhol Juan de Los Reyes, que deu alguma felicidade à selecção de nuestros hermanos, com a terceira posição.

Ainda nos homens, o atleta português Diogo Queimada passou na primeira repescagem em primeiro lugar, mas acabou por terminar a sua participação nas meias-finais das repescagens, obtendo o oitavo lugar da geral na competição. Lesionado desde o estágio, o atual campeão nacional manteve, no entanto, uma perspectiva positiva. “A prova correu bem, mas a lesão na virilha tem-me dado algumas dores e isso também me afeta mentalmente. No entanto, tenho o apoio da equipa médica da Federação e da Seleção, o que me permitiu chegar até aqui. Mesmo assim não consegui avançar mais... dei o meu melhor e agora vou dedicar-me às duas últimas etapas do campeonato nacional, porque quero renovar o título”, afirmou o campeão português. O outro atleta da seleção portuguesa, o vice-campeão nacional Rui Fialho, teve algumas dificuldades para encontrar boas ondas na sua bateria das repescagens e terminou no 11º lugar da geral.

Na prova feminina e no primeiro heat do dia, Iballa Ruano Moreno, oito vezes campeã mundial de windsurf ondas e campeã europeia de SUP ondas em título, foi ultrapassada pela francesa Justine Dupont, ex-campeã europeia de surf júnior e sénior, ex-vice-campeã mundial de longboard e ex-atleta da elite mundial. Mas, na grande final, as posições acabaram por inverter-se e a espanhola voltou a levar o troféu para casa, com uns óptimos 15,9 pontos, deixando Dupont em segundo lugar, com 10,1 pontos em 20 possíveis.

“Estou muito contente de vencer em Portugal. Foi uma ótima experiência, com boas ondas na final. Estava um pouco nervosa no heat anterior mas na final, depois de conseguir uma boa nota na primeira onda, acabei por relaxar. Esta vitória é numa das provas mais importantes do meu calendário e ganhar nesta praia é muito especial. Os portugueses são ótimas pessoas. Foi um ambiente muito bom entre atletas e equipas e isso é muito importante”, acrescentou a vencedora.


No segundo lugar do pódio, Justine Dupont concluiu: “Não estava a sentir-me bem com o meu surf hoje. Estava muito cansada e isso acabou por me afectar um pouco. Tivemos muito boas ondas mas não estava tão confiante nesta final e a Iballa mereceu ganhar. Foi bom também observar os rapazes e aprender com eles. Este Inverno vou voltar para a Nazaré com o meu namorado, para tentarmos apanhar umas ondas bem grandes”, afirmou ainda a multifacetada atleta.

O terceiro lugar ficou com a sueca Sofie Simonson, que protagonizou um dos resultados mais festejados na areia, e o quarto posto foi ocupado pela alemã Paulina Herpel. 

Com o final de todas as provas, estavam apuradas as posições gerais de todas as seleções europeias que participaram no EuroSUP 2017. França sagrou-se a grande vencedora e Portugal conquistou um respeitoso quarto lugar numa competição que contempla acima de tudo equipas profissionalizadas.

Espanha terminou a competição como vice-campeã e a Dinamarca, que vai receber a próxima edição do Mundial de SUP, em setembro deste ano, conquistou o terceiro lugar, deixando uma ideia muito positiva, sobretudo com as conquistas de Casper Steinfath, vencedor na corrida técnica, e a presença do jovem de 16 anos Christian Anderson, que conquistou o quinto lugar na mesma prova, além da 7ª posição na Longa Distância e a 9ª no SUP de Ondas. Christian foi a grande revelação deste EuroSUP.

Durante a entrega de prémios, a boa disposição continuou a imperar e todas as seleções fizeram o seu agradecimento a Portugal e a Peniche, que recebeu a segunda edição do Campeonato da Europa de Stand Up Paddle sem qualquer incidente e com iniciativas e provas elogiadas por todos os participantes.

Na mesma cerimónia, o anfitrião António José Correia, Presidente da Câmara Municipal de Peniche, não deixou de retribuir os agradecimentos a todos os atletas que passaram por cá. “Um evento que permitiu à nossa cidade mostrar um pouco da sua história e da nossa portugalidade e que não poderia ter acontecido sem a excelente equipa do Peniche Surfing Clube, de todos os voluntários (mais de 200) do Instituto Politécnico de Leiria e da Escola Superior de Desporto de Rio Maior, dos bombeiros e dos vereadores e trabalhadores da Câmara”, começou por afirmar.

“Um especial agradecimento à seleção portuguesa e ao seu selecionador, assim como à Federação Portuguesa de Surf e à Federação Europeia de Surf, não esquecendo que um evento destes sem o apoio dos patrocinadores, como as Águas de Portugal, não poderia acontecer”, afirmou o mesmo responsável, acrescentando ainda: “Esta não é uma competição individual é uma competição por equipas e é esta dimensão coletiva que é importante para uma coesão social europeia”, concluiu.

Por sua vez, João Nuno Mendes, Presidente do Grupo Águas de Portugal, patrocinador oficial do evento, não faltou ao último dia do EuroSUP e, além de congratular toda a equipa, deixou uma mensagem sobre o papel da empresa no contexto nacional.

“É muito importante garantir a qualidade das águas balneares em Portugal para que possam proporcionar estes epectáculos desportivos que acabam por tornar o nosso país ainda mais atrativo”, confirmou. 

Em paralelo aos eventos competitivos internacionais, durante todos os dias de competição existiram inúmeras actividades desenvolvidas pelos parceiros do Instituto Politécnico de Leiria e da Escola Superior de Desporto de Rio Maior IPL: ginásios e diversas ativações de marca, workshops, experiência das várias modalidades, aldeia de sponsors e programa de atividades desportivas e culturais, onde estiveram mais de 2000 crianças, jovens e seniores, provenientes das escolas e associações do concelho e de concelhos limítrofes.




O Peniche Paddle Series é uma coorganização do Peniche Surfing Clube e da Câmara Municipal de Peniche, com eventos homologados pela Federação Europeia de Surf, Federação Portuguesa de Surf, Federação Portuguesa de Canoagem, Federação Portuguesa de Remo e Federação Portuguesa de Vela, com o patrocínio principal das Águas de Portugal, Águas do Tejo Atlântico, EPAL e SMAS Peniche, o patrocínio da Caixa de Crédito Agrícola Mútuo, Pingo Doce, Mútua dos Pescadores, Lubrigaz | Lubrisport, Herbalife e MEO, os apoios institucionais do IPDJ, Fundação do Desporto, Bombeiros Voluntários de Peniche e Centro de Alto Rendimento de Peniche, tendo como parceiros institucionais a Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar – IPL e a Escola Superior de Desporto de Rio Maior – IPS e como media partners o MEO Beachcam, Total SUP e Up Suping.










O Peniche Paddle Series 2017 pode ser acompanhado aqui:

Site PPSC: www.ppsc.pt

Twiter: @pxsurfclube




Instagram: penichesurfingclube


Créditos das fotos para: Miguel Sacramento


EuroSUP 2017 - Travessia Berlenga - Peniche

Titouan Puyo e Olivia Piana vencem prova de Longa Distância do EuroSUP

Os atletas franceses conquistaram hoje os primeiros lugares na competição de Longa Distância do Campeonato da Europa de Stand Up Paddle, integrado no Peniche Paddle Series 2017, um trajecto de 15 km entre a ilha da Berlenga e a praia do Molhe Leste, em Peniche.

A prova teve início cerca do meio dia, com os 21 atletas alinhados ao largo do Forte de São João Baptista, numa imagem de rara beleza à qual nenhum dos participantes ficou indiferente. O sol mostrou-se sem constrangimentos, ficando o vento num nível mais modesto. No entanto, a ondulação e as pequenas vagas  que surgiram durante toda a prova proporcionaram boas condições para uma prova que respondeu a todas as normas de segurança, com diversos pontos de observação em terra, assim como o apoio de viaturas de bombeiros, além de diversos barcos que fizeram o acompanhamento no mar.


Na categoria masculina, os dois atletas da selecção francesa em competição tomaram imediatamente a dianteira e Titouan Puyo acabou por ser o vencedor, com 1h35m25seg de tempo total. “Não estava tão ventoso como eu gostaria, mas foi uma óptima prova. No meio do trajecto consegui tirar proveito de alguns bumps e percebi que se remasse bem aí poderia efectivamente ganhar a competição. Até ao fim nunca sabemos o que vai acontecer, mas estava confiante. No entanto, junto ao rochedo (Cabo Carvoeiro) senti-me muito cansado. É a primeira vez que compito em Peniche e estou a gostar muito desta experiência”, afirmou o campeão da Europa.

Pouco mais de um minuto depois foi o seu colega de equipa, Arthur Arutkin (1h36m21s), que cortou a meta. ”Esta é a minha primeira vez em Peniche e apesar do calor que se fez sentir foi muito bom competir aqui”, comentou o atleta do norte de França, que assim somou mais um vice-título no EuroSUP 2017.

O italiano Leonard Nika foi o terceiro a chegar à praia do Molhe Leste, com o tempo de 1h39m13s e, apesar de Portugal já não ser uma descoberta, uma vez que passa temporadas de seis meses no nosso país, esta foi uma prova diferente. “Não consigo perceber se foi melhor do que a corrida que fiz nos Açores, entre o Pico e S. Jorge, mas esta foi definitivamente uma das melhores travessias que alguma vez fiz. Conseguimos aproveitar algumas ondas e bumps e de facto Peniche tem boas condições para treinar. Adoro vir aqui pois sinto-me realmente em casa”, concluiu o simpático italiano, que assim deixou o novo campeão europeu de Race Técnico, o sempre muito forte dinamarquês Casper Steinfath, fora do pódio, em quarto lugar.

Na prova feminina, a francesa Olivia Piana, já consagrada como campeã europeia de Race Técnico, obteve igualmente o primeiro lugar nesta competição (1h52m13s) e, apesar do cansaço da prova, a sua felicidade reflectia-se no seu sorriso. “Foi uma prova bem difícil. Tivemos uma partida fantástica, as condições estavam muito boas e é incrível fazer uma prova entre uma ilha e uma cidade, mas esta é a nona corrida que faço em quatro semanas, pelo que estava muito cansada, quase morta mesmo (risos). Estou a adorar Portugal e vou certamente voltar no Verão, para treinar aqui. É uma excelente oportunidade de aprendizagem e crescimento”, afirmou.
No pódio da competição feminina, a espanhola Laura Quetglass (1h56m32s) ficou mais uma vez em segundo lugar e a atleta portuguesa de Moledo, Ângela Fernandes, ganhou a medalha de bronze, com 1h59m11s. Apesar de esperar mais vento e da dureza da prova, a competidora nacional considerou que “a ondulação ajudou, mas competir durante duas horas sob muito calor e com o pulso a 180 bpm’s... foi realmente uma prova dura.” Apesar do “peso” de jogar em casa e da luta pelos primeiros lugares com duas atletas profissionais, Ângela Fernandes mostrou-se feliz no final, uma vez que alcançou a mesma classificação do ano passado, e completou afirmando que “tecnicamente estou melhor, porque evolui bastante na longa distância, mas claro que gostaria de ter feito mais.”

Os portugueses Filipe Meira e Rúben Afonso alcançaram as nona e décima posições, respectivamente, e apesar de não terem conquistado os lugares que gostariam, mostraram-se confiantes no trabalho que fizeram, confessando terem dado o seu melhor e dando ênfase ao espírito de união do grupo e apoio da equipa portuguesa.

O português mais bem classificado, com 1h45m45s, Filipe Meira, afirmou que “a prova correu bem. Apesar de algumas dores nos ombros dei o meu máximo. Por vezes a vontade não chega para tudo e ainda temos um longo percurso até chegar ao nível das outras equipas. É o nosso segundo ano como selecção e estamos em fase de aprendizagem, mas penso que somos o grupo que está realmente a funcionar como equipa e estamos a trabalhar para um objectivo comum. Estamos a construir um futuro para alguém e estamos a aprender.”

Rúben Afonso, por seu lado, acrescentou que “dei o meu melhor mas não foi suficiente para um bom resultado. As outras selecções estão noutro nível e temos atletas que competem no circuito mundial. Decidi ir ao meu ritmo depois de ter perdido o comboio e apanhei o maior número de bumps que pude. Tem sido uma experiência incrível e é muito gratificante representar o país nestas competições, mas faltam-nos algumas condições que estes países têm, como equipamentos, infraestruturas e apoios para um estatuto de atleta, como algumas das seleções que participam no evento. Essas são as bases e esse é um peso forte na balança.”

Da parte da seleção portuguesa, João Aranha, Presidente da Federação Portuguesa de Surf, também acompanhou de perto a travessia. “Segui toda a prova do barco e a prova correu bastante bem, com as condições de segurança garantidas, o que é essencial para uma competição deste género. A equipa portuguesa deu o seu melhor mas ainda temos dois atletas em prova na competição de ondas, pelo que não existem resultados finais. Vamos ver o que acontece amanhã,” comentou.

Amanhã termina o EuroSUP, com a chamada marcada para as 11h, novamente na praia de Supertubos, para as restantes baterias e as grandes finais na categoria de ondas.

Em paralelo aos eventos competitivos internacionais, durante todos os dias de competição existem inúmeras actividades desenvolvidas pelos parceiros do Instituto Politécnico de Leiria e da Escola Superior de Desporto de Rio Maior IPL: ginásios e diversas ativações de marca, workshops, experiência das várias modalidades, aldeia de sponsors e programa de atividades desportivas e culturais, onde são esperados mais de 2000 crianças, jovens e seniores, provenientes das escolas e associações do concelho e de concelhos limítrofes.
O Peniche Paddle Series é uma coorganização do Peniche Surfing Clube e da Câmara Municipal de Peniche, com eventos homologados pela Federação Europeia de Surf, Federação Portuguesa de Surf, Federação Portuguesa de Canoagem, Federação Portuguesa de Remo e Federação Portuguesa de Vela, com o patrocínio principal das Águas de Portugal, Águas do Tejo Atlântico, EPAL e SMAS Peniche, o patrocínio da Caixa de Crédito Agrícola Mútuo, Pingo Doce, Mútua dos Pescadores, Lubrigaz | Lubrisport, Herbalife e MEO, os apoios institucionais do IPDJ, Fundação do Desporto, Bombeiros Voluntários de Peniche e Centro de Alto Rendimento de Peniche, tendo como parceiros institucionais a Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar – IPL e a Escola Superior de Desporto de Rio Maior – IPS e como media partners o MEO Beachcam, Total SUP e Up Suping.










O Peniche Paddle Series 2017 pode ser acompanhado aqui:

Site PPSC: www.ppsc.pt

Twiter: @pxsurfclube




Instagram: penichesurfingclube



Créditos das fotos para: Miguel Sacramento